sexta-feira, 30 de março de 2012

Descobrir, esperar, piorar e operar

E aí pessoal, beleza? 

Hoje quero compartilhar com vocês um trecho de um dos depoimentos que tem no meu livro. É do estudante, Abel Cavalcanti, que mora em Aracajú. Dois pontos interessantes, um que é a história de um menino com escoliose, o que é mais raro de se ver e outra que ele é mais um caso do "descobrir, esperar, piorar e operar". Tudo que temos lutado contra no Projeto Escoliose Brasil.

Graças a Deus no fim deu tudo certo e agora ele dá conselhos para quem ainda vai operar. Leiam...


"Eu descobri que tinha escoliose um pouco tarde, por volta dos 13 anos. Mesmo após descobrir, nós não tomamos providência nenhuma sobre usar colete, ou como a escoliose iria se desenvolver. Três anos depois, a situação já estava bastante avançada, e só então nós optamos pela opção do colete, mas após a fabricação do colete e algumas consultas com diferentes ortopedistas, chegamos à conclusão de que a curvatura estava avançada demais para a eficácia do colete. Eu não sei se isso foi bom ou ruim, acho que não tinha a força de vontade suficiente para usar o colete pelo tempo necessário... Um ano depois, com a cirurgia praticamente marcada, tudo o que eu fazia na internet era pesquisar sobre a escoliose. Pesquisei todo o processo cirúrgico, como seria a recuperação, as dores que eu iria sentir, quanto tempo levaria para normalizar minhas atividades, e acho que isso me ajudou bastante. Aconselho a quem está nessa fase de espera para a cirurgia, se informe, sobre tudo o que puder, desse modo eu não tive muitas surpresas ou pelo menos já sabia o que me aguardava no hospital. A recuperação foi mais difícil do que eu esperava, principalmente os primeiros dias no hospital. Mas hoje, quase dois anos depois, eu meio que sinto orgulho de tudo o que eu passei, e me sinto mais forte quando lembro de todas as dificuldades. Tudo o que você vai passar, como dores, desconfortos ou coisas do tipo, logo, logo, serão esquecidos, mas vai ficar na memória uma história de superação e no corpo uma cicatriz que prova o guerreiro que você foi, ao vencer a escoliose." 
(Abel Cavalcanti, 19 anos, estudante de Gestão de Turismo — Aracajú, Sergipe, Brasil) 


8 comentários:

Tia Jack disse...

OI QUERIDA !
MINHA ANA LUZ FEZ A QUARTA CIRURGIA DE ESCOLIOSE( CHAMADA DE (VEPTER) CONFESSO QUE SOU ATÉ MUITO FORTE ,EM RELAÇÃO A QUESTÃO CIRURGICA .POIS EU PENSO SE PRECISA DE FATO TEMOS QUE REALIZAR.
NÃO É UMA QUESTÃO ESTÉTICA É SAÚDE !!!!
E EU PENSO SEMPRE O QUE DEVEMOS FAZER HOJE NÃO DEVEMOS DEIXAR PARA AMANHÃ.
ESTOU MUITO FELIZ COM A CIRURGIA E ANA LUZ CERTAMENTE VAI COLHER SEUS FRUTOS.
E GRAÇAS A DEUS TENHO DR.ARTHUR EM NOSSAS VIDAS .

Tia Jack disse...

EU VOU REALIZAR NO DIA
TRINTA DE JUNHO DESTE ANO O QUARTO ENCONTRO
BRASILEIRO SOBRE ARTROGRIPOSE AQUI EM MINHA CASA.
É UM ENCONTRO INFORMAL ,PORÉM REGADO DE MUITO AMOR .

Patricia Italo Mentges disse...

Que beleza o depoimento do Abel, Julia!

Com certeza ele reascende a questão básica do agir precocemente, do detectar precocemente e do tratar precocemente.
Há muito o que fazer no presente para garantir um futuro mais leve, saudável e feliz!

Parabéns mais uma vez e muito obrigada por compartilhar algo tão poderoso!

Beijos

Julia Barroso disse...

Oi Jack, que felicidade saber que Ana Luz tem passado bem pelas cirurgias. E o DR. Arthur realmente é uma benção.

Qq coisa estou por aqui.

beijos

Julia Barroso disse...

Patricia, vamo que vamo!!!!

bjssss

Geandra disse...

Parece muito com minha história. :)

Estou na fase do "descobrir, esperar, piorar e operar"

Julia Barroso disse...

Oi Geandra, então porque não tenta fazer algo agora, enquanto dá tempo. Tenta!!!!

bjs

Marcia22k disse...

Perfeito o depoimento dele.Eu tenho um primo q tambem tem escoliose ele tem 13 anos e descobriu quando caiu no treino d futbol e precisou fazer o raio x

Postar um comentário