terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Quando temos a ajuda da escola....

Neste fim de semana recebi um depoimento que me interessou muito. É da Bhabi, que tem 12 anos e é da cidade de Alfenas, em Minas Gerais. Ela é um dos poucos casos, onde a escoliose foi detectada na própria escola. Muito sabiamente, a professora de educação física fez um teste simples e rápido nos alunos, que não demora mais de 1 minuto. 

Isso deveria ser regra básica em todas as escolas do Brasil e do mundo. Não custa nada, nem tempo! O resultado seria a detecção precoce de uma das mais complicadas e complexas deformidades do corpo humano. É nesta tecla que não vou parar de bater nunca. Será que é muito difícil implantarmos este sistema????

Leiam e vejam que mensagem bonita ela passa:


"Eu tenho 12 anos, uso colete Milwaukee e tenho 50º de escoliose. Provavelmente terei que fazer a cirurgia, mas se Deus quiser meu problema será resolvido sem a operação. Então,  eu queria contar um pouco da minha história. Foi assim, eu estava na aula de educação física e a minha professora pediu para todos se curvarem para frente. Depois de observar, ela me perguntou se eu tinha algum problema de coluna e eu disse que não, pois até então não sabia do meu problema. Cheguei no salão da minha mãe, contei tudo e ela ficou horrorizada. Uma cliente dela, que faz medicina, disse que podia ser escoliose e era para eu procurar um ortopedista. Fomos e ele pediu que eu tirasse um raio-x pra ver se era necessário o uso do colete. E foi necessário. No primeiro dia eu chorei muito e usei por baixo da roupa, mas fui pra escola normal. Todo mundo me perguntou o que era. Eu respondia com vontade de chorar, mas fui firme, porque sempre pensei que passando confiança pra todos, ninguém iria me zoar ou coisa do tipo. Eu realmente estava certa! Hoje tenho mais amigos do que antes e todos me incentivam. Isso é muito importante pra mim, porque vejo que não é apenas meus pais que acham isso normal, mas sim todos que estão ou meu redor. Eles me encorajam para que eu me sinta uma pessoa normal, mas não uma pessoa qualquer e sim especial. Eu não me sinto incomodada pelo fato das pessoas olharem e perguntarem, e sim pelo fato do colete ser muito quente. É isso, eu queria compartilhar um pouco da minha história e gostaria de dizer as pessoas que usam qualquer tipo de colete, que o importante é passar confiança como se você não se sentisse incomodada com o colete e nem com as pessoas que te perguntam, pois só assim a gente conquista o respeito e a amizade verdadeira de quem um dia já riu de você ou achou que isso não é uma coisa normal."

2 comentários:

Patricia Italo Mentges disse...

Isso é muuuuuuio importante!!!!
Campanha a favor da triagem escolar para a escoliose!!!!

Vania Ribeiro Cecotti disse...

Na minha época quem deu levantou uma suspeita foi um professor de natação do pré, na época eu estava com 6 anos, ele notava algo de diferente em mim,não sabia o que era de fato, suspeitou ate de pé chato...com isso minha mãe passou a me observar mais e na hora do banho ela fez exatamente o que a professora fez também, pediu pra eu me curvar e aí percebeu um lado sutilmente maior que o outro.
As escolas deveriam ter este tipo de avaliação,desde a época do pré não sei se antes dos 6anos já é perceptivel,ou quando o professor perceba alguma reclamação do aluno de dores nas costas.

Postar um comentário