segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A realidade da escoliose em Moçambique

Oi gente! Hoje venho compartilhar com vocês a história da Márcia Khomé, de Moçambique na África, que me mandou uma mensagem na semana passada. Me chamou a atenção a parte em que ela fala sobre a realidade de seu país em relação a escoliose e o fato de ter precisado se deslocar para África do Sul para poder se tratar. Outro ponto que chama atenção é o fato dela não conhecer uma única pessoa com escoliose em Moçambique. Tá aí a prova de que cada vez mais, a gente precisa adotar a conscientização desta doença como causa fundamental.....

Deixem o texto do jeitinho que ela escreveu, em português de Portugal. Uma fofura!!! Leiam só: 


"O meu nome é Márcia Khomé, sou moçambicana e tenho 23 anos. Aos 14 anos foi-me diagnosticada a Escoliose Idiopática, sem causa aparente. Passei por um período de fisioterapia com exercícios correctivos, mas as opiniões não eram muito favoráveis e todos os fisioterapeutas diziam que os graus que eu apresentava (60ᵒ) eram de nível cirúrgico. Sem outra opção, visto que Moçambique é um país pobre e a o sector de medicina é muito deficiente – não existe até hoje condições técnicas e recursos humanos para fazer uma operação de escoliose - e não havendo meios para realizar a cirurgia no meu país, rumamos para a África do Sul (país africano mais desenvolvido e com tecnologias mais avançadas). Lá foram realizados todos os exames, que confirmavam o que os especialistas moçambicanos diziam, e também foi feita a cirurgia, aliás, um sucesso. Obteve-se uma correcção de 50%, ou seja, passei para os 30ᵒ. Usei o colete durante 2 anos após a cirurgia e hoje em dia a minha curvatura não é tão perceptivel, só um olhar atento é que consegue perceber que as minhas cadeiras estão desniveladas. Conto isto porque sei, através da leitura do teu blog, que também passaste pela cirurgia. Como foi o teu pós-operatório? Que actividades físicas é que continuaste a desenvolver para minimizar os efeitos da escoliose? O médico que me operou não me aconselhou nesse sentido (disse apenas que sofreria de artrite aguda na velhice) e passados nove anos, acredito que ainda posso fazer algo para melhorar a minha saúde física. O grande problema é não haver especialistas nessa área no meu país!!!

P.S: adorei o blog, descobri por acaso, navegando pela net. Dado curioso é que eu nao conheço nem sequer uma menina moçambicana que tenha passado pelo mesmo que eu, mas sei que existem. As vezes é bom tomar conhecimento da experiência de outras meninas que estão no mesmo dilema. Sucessos com o livro!!!"




12 comentários:

Patricia Italo Mentges disse...

Oi Julia, mais uma entre tantas histórias né?
Essa é tocante pelo fato de o sistema de saúde ser falho, podemos dizer inexistente principalmente no que diz respeito a escoliose.
Concordo pelnamente com você quando diz que essa é "a prova de que cada vez mais a gente precisa adotar a conscientização desta doença como causa fundamental.....".
Seu Blog é fundamental pois cria um espaço de valor inestimável para os que precisam trocar experiências, ser ouvidos, e receberem apoio.
Mais uma vez, meus PARABÉNS!!!!!!
Vamos juntas que temos muuuuuuuuuuuuuuuuuito trabalho pela frente, mas um trabalho, que tenho certeza, trará imensas alegrias!
Beijos, beijos, beijos e muitos abraços.

Julia Barroso disse...

JUNTAS!!!!!!!! A gente chega lá Patricia!!!!!

Tenho certeza. Obrigada por todo o apoio de sempre viu! Vc é mais que 1000%%%

super bjjjjj

Anônimo disse...

No século 21 encontramos varios países sem infra para realizar uma situação dessa como outras tantas. Pessoas que poderiam ficar boas e pagam o preço do subdesenvolvimento. mami

Valéria Frontelmo disse...

Mais uma vez parabéns Julia... historias como essa é que nos dá a alegria de ver que a informação é muito importante para que cada vez mais pessoas saibam que não estamos sozinhos nessa luta.

Márcia estamos todas juntas, um grande abraço!

Valéria frontelmo

Julia Barroso disse...

Muito obrigada Valéria!

Venha sempre ao blog.

beijos grandes

Anônimo disse...

eu chamo-me Claudia e vivo em Mocambique - maputo e tenho 17 anos.Tambem sofro de escoliose e me foi detectado aos 12 anos ja com 40/50 graus. Desde ai usei o colete e como recomendado pelos medicos parei com 17 anos.desde os 13 nunca mais fui fazer raio-x para saber se esta a crescer ou nao,mas sinto que cresceu muito.Tive muitos problemas pessoais/familiares e desde entao nao tenho ido ao medico.
Infelizmente tambem nao tenho condicoes para fazer a cirurgia, e talvez por isso nao tenho ido ao medico fazer consulta de rotina so para saber da situacao actual.
Minha familia diz que é preferivel eu nao operar porque assim eu consigo andar, e fazer tudo e com a operacao isso poderia me deixar paraplegica.No outro dia ouvi alguem da minha familia dizer que as chances de eu ficar paraplegica sao de 99%, so que esse meu familiar nem me acompanhou ao medico e sinto que nem esta bem informada sobre o assunto.eu tenho consciencia que a cirurgia é de risco,mas nao acredito que seja risco 99%.actualmente sinto dores e fadiga quando ando longas distancias e pelo que pesquiso a dor nao é muito comum.
Temo que a minha curvatura continue a crescer mesmo depois de eu "crescer" (maturidade ossea), e sem condicoes financeiras fica muito dificel a minha situacao.
é muito bom saber que nao estou sozinha nesta situacao, e este blog é muito bom para informar e ate actualizar pessoas que vivem e convivem com esta situacao.

obrigada por me ouvirem

nao consigo comentar a por o meu email que é claudex_gata@hotmail.com

Julia Barroso disse...

Oi Claudia, obrigada por compartilhar sua história aqui, assim vamos trocando cada vez mais informações sobre este problema.

Olha, a cirurgia é arriscada claro, mas nada disso de 99%. Aliás, para te ser sincera, aqui no blog não vi nenhum caso que tenha dado errado depois de operar. Veja o exemplo de sua conterrânea acima, a Marcia. Deus tudo certo. Por que vc não entra em contato com ela para conversarem mais e até para ela te passar os contatos dos médicos que a operaram.

Fato é que ao menos ao médico fazer raio-x você deve ir Claudia. É preciso saber em que grau está sua escoliose. Não deixe isso de lado, pode ser muito pior no futuro. O meu caso, por exemplo, foi deste tipo que a escoliose continua crescendo mesmo após a maturidade óssea. Por isso, tem que examinar!!!!

Qualquer coisa estamos por aqui e fique a vontade para conversar.

beijos

Anônimo disse...

Obrigada pelos conselhos, e mostrei a minha mae o que disses sobre a cirurgia e sobre a consulta de rotina.
Ja no caso da Marcia, nao sei como falar com ela porque ela nao deixou email, e procurando no google nao encontro nada.Podes me dar um email ou algum tipo de contacto dela?

obrigada

Claudia

Julia Barroso disse...

OiClaudia, segue email da Marcia: marciamaria988@gmail.com

Olha, caso queira ler o livro A menina da coluna torta, pode adquiri-lo pela Amazon, já que está fora do Brasil. Custa apenas 5 dólares e tenho certeza que irá te ajudar muito. Veja só o link:

http://www.amazon.com/menina-coluna-torta-Portuguese-ebook/dp/B0061O5EPK/ref=sr_1_6?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1328210028&sr=1-6

beijos

Anônimo disse...

oi, aqui e a claudia denovo e tenho uma duvida :
- quando a escoliose tem gibosidade (corcunda), tem que se cortar o osso ou nao?e porque aparece a corcunda?
obrigada

Julia Barroso disse...

Não se corta o osso não. Tenta-se consertar a curva o máximo possível e com isso a gibosidade diminui. Alguns casos, por escolha do paciente, tiram algumas costelas, mas isso é só por estética, nÃo é necessário.

bjsss

erika disse...

Olah... Chamo-me erika eu tamb sou mocambicana(nampula) e tamb tenho a escoliose hj tenho 17 anos... Caramba! eu pensei que era a unica nesse país... Eu descobre que tinha a escoliose aos 12 anos... Desd entao minha vida se resumi a hospitais...minha familia nem quer saber de operar diz que posso ficar sem andar,etc...eu nao uso o colete e tamb nao to a fazer fisioterapia , desist no fim do ano passado... Sinto bastante dor e muita dificuldade para dormir por causa das dores. Meu pai ate tentou fazer uns coletes de galão, aqueles enormes que a gente enxi agua... Eu usei mas incomodava bastante e tinha dificuldade para respirar. E bom saber que tem + gente nesse país com o mesmo problema.

Postar um comentário