quinta-feira, 28 de julho de 2011

A importância da natação

Hoje eu queria falar deste assunto com vocês. A natação! Este é um exercício físico muito completo (se não for o mais), que trabalha praticamente todos os músculos e articulações do corpo, trazendo excelentes benefícios para o organismo.

E é por essas e outras que a natação costuma ser uma das primeiras recomendações médicas para casos de escoliose. Ela ajuda a fortalecer e aumentar a flexibilidade da musculatura em torno das vértebras, o que gera mais força para segurar a coluna em seu devido lugar. Isso não significa, de forma alguma, que a natação tenha a capacidade de diminuir uma curvatura. Não! Ela é indicada para complementar todo o tratamento que deve ser feito, seja com uso de coletes, fisioterapia ou mesmo a cirurgia. Ela é importante para quem vai operar, pois quanto mais flexível a musculatura das costas está, maior o sucesso da operação. E quanto mais nadamos, mais flexibilizamos essa musculatura. Com certeza, as duas melhores modalidades para quem tem escoliose é o nado livre e o de costas. O de peito e borboleta, muitas vezes, acabam sobrecarregando demais a lombar.

Eu nadei por muitos anos, desde a primeiríssima consulta com o primeiríssimo médico, antes mesmo de colocar o colete. E continuei nadando até a data da minha cirurgia. Foi a natação que me ajudou a não ter dores, a continuar me movimentando de forma normal e a ter uma cirurgia de sucesso. Além disso, foi fundamental para a minha estética. Quando eu cheguei a 60 graus, o médico disse algo do tipo: - Nossa Julia, mas você está de parabéns, pois não conseguimos notar isso visualmente. Somente com raio-x.

Então fica o recado pessoal: NATAÇÃO SEMPRE!!!! Afinal, mal não faz não é?

quarta-feira, 27 de julho de 2011

A história de uma nigeriana com escoliose

Oi gente! Mais uma história de superação para vocês, aliás, para todos nós, inclusive para mim. Kofoworola Olaofe, ou para os mais íntimos, Chophoe, é uma mulher africana de 23 anos, estudante de zoologia na Nigéria,  que passa pelo grande problema da escoliose em sua vida. O caso dela é congênito. Ela nasceu com Hérnia Diafragmática, uma falha de fechamento do diafragma, que geralmente ocorre do lado esquerdo, resultando em uma grande abertura na região do póstero-lateral. Segundo dados, este problema ocorre em 1 em cada 2000 a 5000 nascimentos.


Enfim, fato é que Chophoe acaba de escrever sua biografia, chamada "The little lady with a large heart" (adoooorei o título) e está disponibilizando de graça para os interessados em sua história. Seu objetivo é tentar aumentar a consciência sobre a escoliose no mundo. Aliás, esse é o objetivo de todos nós, que temos esta deformidade, seja ela da causa que for.


Sinopse: Kofoworola Olaofe disseca-se, expondo a ferida do fundo do seu coração para o mundo ler. Esta comovente história narra o contentamento de uma jovem nigeriana com a vida, em face da deficiência, e seu triunfo sobre o ataque debilitante da escoliose. 

"A escoliose é uma doença rara que menospreza a sua vítima, não só fisicamente, mas psicologicamente."


Enquanto uma página traz sorriso aos seus lábios, as próximas trazem lágrimas em seus olhos. É uma história intensa em movimento.


Fotos:




Livro: Quero dividir com vocês o arquivo do livro para quem quiser ler. Está escrito em inglês, naturalmente. É preciso entrar neste link abaixo e fazer o download em pdf (no fim da página):


terça-feira, 26 de julho de 2011

Minhas novidades no site da editora

Pessoal, tem novidades por lá! O livro ainda não foi lançado, mas minha página do autor já foi criada. Olhem que luxo!




Além disso, fui convidada para escrever crônicas semanais para o site. Uma honra! Conheçam o espaço que está muito bacana. E o meu primeiro texto já está lá! Confiram:




domingo, 24 de julho de 2011

SpineCor: um colete diferente

Eu sou daquela filosofia de quanto mais confortável melhor. Aplico isso a tudo na minha vida e não poderia ser diferente na hora de visualizar o que seria o colete dos sonhos para crianças e adolescentes com escoliose. Nada de ferros, acrílicos e espuminhas que assam a pele. Nada de se sentir um ser de outro mundo sem os principais movimentos da coluna. Nada de roupas especiais e desconfortáveis para tentar esconder todo aquele aparato que envolve um colete para escoliose.
Esse sonho talvez seja realidade para algumas pessoas. E chama-se SpineCor, um confortável colete dinâmico feito de faixas elásticas, que permite ao paciente se movimentar normalmente e continuar com suas atividades normais no dia a dia. Mas atenção: ele só é indicado para casos de ESCOLIOSE IDIOPÁTICA (aquela sem causa definida). Fiquei bastante impressionada com o que li a respeito dos casos de sucesso com o Spinecor. Parece que ele tem estabilizado ou até corrigido a curva de cerca de 89% dos pacientes que podem ou optam usá-lo como tratamento. 
Ah, se eu soubesse de algo assim ou parecido com isso na minha época de Colete de Milwaukee. Iria até o fim do mundo atrás desta invenção revolucionária.

Agora a má notícia: o Brasil não está entre os 22 países que já possuem centros de tratamentos e representantes do Spinecor. Como sempre, estamos atrasados! Quem tiver a possibilidade de sair do país para se tratar: Corra! Vá buscar mais informações! 

Abaixo uma imagem para vocês conseguirem visualizar sobre o que estou falando. Reparem que o conforto é incomparável em relação aos coletes tradicionais que já conhecemos:


SITE SPINECOR

quinta-feira, 21 de julho de 2011

10 dicas de controle da escoliose

Passeando por comunidades sobre escoliose na internet, encontrei um artigo do Dr.Clayton Stitzel, especializado em reabilitação da escoliose e diretor do Clear Institute e achei realmente interessante! 
Ele dá 10 dicas de como tentar controlar a escoliose. Confesso que tem coisas aí que nem eu sabia, como a questão da osteopontina. Vivendo e aprendendo....

Vejam só:

1. Cuidado com curvas na ginástica e no ballet.
Evidência circunstancial determinou que as atividades que causam um "achatamento" ou hiper-extensão na parte traseira média, pode causar progressão nas curvas de escoliose


2. Não dormir de barriga para baixo.
Dormir de estômago tem vários aspectos negativos (incluindo dor nas costas baixas e médias). Mas, o mais importante para os pacientes com escoliose é que força a posição da coluna vertebral normal para fora da dimensão vista lateral e na curva da escoliose anormal.

3. Tome 200 microgramas de selênio por dia (L-selenometionina).
O selênio é um mineral que ocorre naturalmente e é conhecido por reduzir os níveis excessivamente altos de uma citocina chamada "osteopontina", que impulsiona a remodelação óssea e tem sido encontrada em níveis excessivamente elevados em pacientes com escoliose grave. Além disso, um estudo publicado em 2007 encontrou pacientes de Escoliose Idiopática do Adolescente frequentemente deficientes em selênio.

Nota:  pessoas com estômagos sensíveis devem tomar com alimentos.

4. Limpe a cabeça do seu chuveiro pelo menos 1 vez por mês.
A micobactéria que cresce dentro do chuveiro, entre seus usos, pode levar à infecção crônica de micobactéria e aumentar os níveis de osteopontina.


5. Sem tanques de peixes na casa.
Água parada prolongada (semelhante à água dentro do chuveiro) pode levar à infecção crônica de micobactéria, o que pode aumentar os níveis de osteopontina.


6. Evite posturas curvadas ao sentar no computador.
Escoliose já provoca uma carga anormal da coluna vertebral e os maus hábitos posturais só servem para aumentar o stress bio-mecânico anormal em uma coluna já comprometida.


7. Reduzir o peso mochila para menos de 10% do peso do corpo do paciente.
Um peso anormal na coluna comprometida com escoliose pode levar à progressão da curva. A maioria das escolas deveriam fornecer um conjunto extra de livros, de modo que o aluno possa manter um conjunto em casa e outro na escola, eliminando a necessidade de transferir os livros.


8. Distribuir o peso uniformemente na mochila.
Carregamento assimétrico na coluna, com uma mochila, causa curvatura anormal da coluna e pode provocar progressão da curva.

9. Trampolins de quintal: não, não.
A natureza de compressão do peso do corpo do paciente, multiplicado pelo número de vezes que pula para cima e para baixo, no curto período de tempo, pode levar a um rápido avanço da curvatura da coluna vertebral, referido como "colapso postural".


10. Evite sapatos de salto alto.
O uso de sapatos de salto alto pode causar lordose lombar excessiva (a curva normal vista de lado), que está correlacionada com escoliose progressiva.




terça-feira, 19 de julho de 2011

Meu primeiro livro

Pessoal, este post nada tem a ver com coluna, mas eu precisava mostrar para vocês, já que tem a ver com um outro assunto, também muito importante deste Blog: LITERATURA.
Achei aqui nas minhas bagunças o primeiro livro que escrevi na vida. Desenvolvi esta pequena obra quando ainda estudava no Colégio Pentágono, em São Paulo. Vejam a que ponto chega a criatividade de uma criança. 
No mais, não pude deixar de pensar que Deus é mais por termos entrado na era digital, porque a minha letra continua tão horrorosa quanto antes.....

Separei uma histórinha para vocês. Não deixem de ver a ilustração. Está um arraso!!!










segunda-feira, 18 de julho de 2011

Entrevista: fisioterapeuta especialista em escoliose

Há algum tempo estou procurando um bom fisioterapeuta para ter uma conversa aqui para o Blog. E olha que maravilha, por uma feliz obra do acaso, encontrei a Dra. Patricia Mentges, uma super especialista e experiente em escoliose. Isso é raro no mercado, pelo menos eu não conheço ninguém, além dela. Achei muito interessante o fato dela ser apaixonada pelo tratamento da escoliose e por isso fiz uma entrevista para vocês! Ela é um exemplo de pessoa e profissional que luta por uma causa. E o melhor: a nossa causa!

Confiram abaixo: 

1-) Há quanto tempo trabalha com a escoliose? 

Trabalho há 15 anos com escoliose.

2-) O que a fez se interessar por esta deformidade em especial?

Meu interesse surgiu quando percebi o impacto emocional causado e a falta de apoio e serviços disponíveis no Brasil para essa deformidade; sou dessas pessoas que acreditam que quanto maior o desafio melhor. 

3-) Trabalha com crianças também?

Atendo crianças também, desde que possam entender e ajudar, cooperando com o tratamento. Isso geralmente ocorre a partir dos 8 anos de idade, mas pode haver exceções. Tenho grande experiência com a escoliose idiopática do adolescente, a juvenil e também a do adulto. A palavra idiopática significa que a causa é desconhecida, e, esse tipo de escoliose corresponde à maioria dos casos, ou seja, 80%.

4-) É possível reduzir em algum nível a curva com fisioterapia?

Sim, é possível obter a redução das curvas - geralmente das escolioses idiopáticas - com tratamento fisioterápico, mas para isso, é fundamental o diagnóstico preciso e precoce, seguido de um programa de tratamento seguro e eficaz. Porém, só obteremos isso com muito comprometimento por parte do paciente e de sua família. Sem isso não obtemos o que almejamos. É muito importante também saber que se estivermos diante de uma escoliose verdadeira - estrutural - não conseguiremos zerar a curva, mas podemos sim obter bons resultados tanto a nível estético como nos graus de curvatura.

5-) Há alguma diferença no tratamento para pacientes que usam o colete e nos que não usam?

Sim, a principal diferença entre os dois é o grau de curvatura. Entre 25 e 30º de curva, uma criança ou adolescente que ainda crescerá, os ortopedistas indicam o uso do colete ortopédico. O importante é que, se indicado, é fundamental que se haja tratamento fisioterápico associado para evitar rigidez e hipotonia - falta de força - dos músculos posturais, que serão solicitados após a retirada do colete. Temos que pensar no agora e no futuro de nosso pacientes. 

Lamentavelmente no Brasil, com raras exceções, os médicos desconhecem e até desmotivam a fisioterapia associada ao uso do colete ortopédico.

6-) Por favor, me conte sobre o projeto que está trazendo para o Brasil com os italianos...

O projeto com os italianos.... bem, ao longo desses anos, lidando com um dos maiores desafios da área da saúde que é a escoliose, fiz muitos cursos e formações. Fui constatando a importância dos exercícios no resultado dos tratamentos. Esse ano durante o 8º SOSORT- Scoliosis Orthopaedic and Rehabilitation Treatment - congresso anual que reúne médicos e fisioterapeutas envolvidos no tratamento da escoliose, ocorrido em maio na cidade de Barcelona, foram apresentados vários trabalhos evidenciando essa importância. De lá seguimos para Milão para uma formação internacional com o objetivo de trocar conhecimento, expandir e divulgar a relevância do tratamento da escoliose. O projeto então é tornar essa, uma realidade brasileira. Sei que o caminho é longo, mas como já disse, acredito que os desafios devam ser enfrentados e, como sabemos, grandes caminhadas começam sempre pelo primeiro passo.
Fiquei muito feliz, pois constatei que estou no caminho certo e também por conhecer uma metodologia que se encaixa nas características socioeconômicas do Brasil. Neste projeto, as sessões têm um espaço de tempo maior entre si, possibilitando baixa no custo do tratamento, porém exigindo maior comprometimento dos pacientes e seus familiares nos "deveres de casa". 




Essa pesquisa já vem sendo feita há 40 anos e seus resultados são promissores. 

7-) Você já teve algum caso especial que tenha te marcado muito?



Na verdade, cada um que depositou e deposita sua confiança em mim me marcaram de forma definitiva. Sem dúvida esse caso em especial que irei contar para vocês. A paciente se dedicou de forma extraordinária e me deixou uma certeza, a de que vale a pena tentar e acreditar, apesar das dificuldades. Me marcou especialmente quando, no dia em que, anos depois da alta, ela me telefonou para contar que tinha passado no vestibular para a faculdade de fisioterapia. Vocês podem imaginar o que senti? Além de toda a emoção gerada, essa paciente e agora colega de profissão, é um exemplo vivo de resultado de redução de curva de escoliose. Caso queiram ler: Escoliose... e um final feliz.

8-) Você dá cursos sobre escoliose? Quando é o próximo?

Sim, dou cursos de escoliose com o objetivo de ajudar a que tenhamos mais colegas com a capacidade de tratar essa deformidade que muitas vezes nos coloca diante de impasses, que nos desconcerta, mas que ao mesmo tempo nos dá imensas alegrias, nos comove profundamente. 

Nos meus cursos procuro sempre aliar o que há de mais novo nas pesquisas científicas, sem esquecer o lado humano, ou seja, procuro ensinar que é possível associar o profissionalismo, que exige muito estudo, dedicação e ética ao humanismo da questão. 

O próximo curso intitulado: "Tratando a Escoliose: uma visão contemporânea" será em Agosto, nos dias 27 e 28.

9-) Gostaria de deixar algum recado aqui para as pessoas que têm escoliose e precisam de tratamento?

Gostaria de deixar uma mensagem de esperança e fé. A esperança de que ao nos dedicarmos de corpo e alma a uma causa pode tornar possível, o que no momento pode nos parecer impossível. A fé que é essencial para darmos o primeiro passo em direção, se não a cura, a uma "qualidade de vida" no melhor sentido dessa palavra. 
Sei que nesse momento, especialmente no Brasil, mas não só aqui, a realidade não é a que queremos ver. Muitas pessoas estão na espera de uma cirurgia e outras tantas a procura de um tratamento. Por minha parte estou nesse projeto necessitando de um número importante de atendimentos para comprovação de resultados. Principalmente tratamentos através da fisioterapia associada ao uso de coletes ortopédicos. 


Finalmente gostaria de dizer o quanto é fundamental que esse tratamento exige interdisciplinaridade, ou seja, que o médico, o fisioterapeuta e o técnico do colete falem a mesma linguagem e interajam para seu sucesso.

PATRICIA ITALO MENTGES
Fisioterapeuta - Educadora Física
Corrective Exercise Specialist - NASM - USA
Tel: (21) 3068-8341 - Cel: (21) 9769-7750
http://patriciaitalomentges.blogspot.com